domingo, 28 de agosto de 2016

VISIBILIDADE LÉSBICA: SEMPRE FOMOS HISTÓRIA



armaram para nós todo um esquema perverso
de exílio na Sicília
mas éramos Safo
e em ilha flutuamos

festaram alegrias querendo nascente varão
"nada falso, nada artificial"
mas éramos Greta Garbo em Rainha Cristina
e da coroa abdicamos

excluíram nosso voto
republicano-democracia
mas éramos Jane Addams
com militantes sufragistas

expulsaram-nos
- também -
do movimento feminista
mas éramos Rita Mae Brown
exigindo aceitação

retiraram de nós
instrumentos possíveis
mas éramos Audre Lorde
e já sabíamos que as ferramentas do senhor
nunca vão desmantelar a casa grande

impuseram em nós
padrão beleza hegemônico
mas éramos Zanele Muholi
foto-focando-nos em primeiro plano

planejaram para nós
subserviência escravocrata
mas éramos Ellen Oléria
bradando minha cons tchi tchi
cons tchi tchi
consciência negra

desejaram para nós
nossas vidas todas desmanteladas
jogadas na vala
enterradas na fossa
mas éramos Maria Bethânia
que qualquer brisa verga
mas nenhuma espada corta

legislaram para nós
toda uma constituição de recato do lar
mas éramos Cássia Eller
avessas às feminilidades
performando nossos corpos
nossos gostos
bem-estares

oraram para nós
nos mantermos trancafiadas
presas celas
arcabouços
mas éramos o que hoje nos tornamos
beijando quem bem queira
em plena praça pública

historicizaram de nós
como sendo inexistentes
apagadas as trajetórias
eliminadas as vivências
mas somos nós mesmas
aqui
agora
a contrapelo
construindo narrativas
trazendo à tona
todas estas que nos antecederam

buscaram amputar em nós a potência da fala,
nos impondo silêncio
mas éramos eu mesma
- Bárbara Esmenia -
abrindo a boca
soltando poesia
eco-alto pra tudo quanto é canto

nos quiseram invisíveis
mas nós
- lésbicas -
sempre fomos história




sábado, 20 de agosto de 2016

foto: Lais Borgom

sabedoria ancestral
é quando
de pequeninas meninas
me biografam passados
de tempo que elas nem ali se previam

em olhar para tais
e ver
- pé chinela chão quilombo -
a existência pralém livros escolares

de tudo que um dia aprendemos
e precisamos transbordar
para caber o novo
do que só queremos
e sabemos
- conscientes -
importância historicizar

pisa plena que terreno este
é barro acompanhado de eco antigo
e neste faz troca-criança
aprende o que desconhece
escuta o que nunca soube
observa paisagens primeiras
e diz, humilde, ideia que qualquer
pois neste papo tudo é o que se sente
do mais belo vida mesmo:
amor aos momentos.

Quilombo do Campinho - Paraty/RJ



sexta-feira, 19 de agosto de 2016

[ d e s m o n t e ]

eu parada querendo
qualquer que fosse arrebentação
que me cortasse os vazios,
os lentos,
os giros miúdos
de quando você me tem por algumas horas
e já busca significância paixão

eu devia ter dito de sempre
que este meu corpo nu em palavras
não reverbera somente nos dedos
- é contato pralém do que físico
nos sentimentos dos povos
reminiscências princípios

eu poderia ter mostrado
- em tateios
o seguir de minhas riscas
sem sabenças retilíneas
buscando alinhavos às desditas de dentro

no que tanto
só que fiz foi desvio
curvaguda arrebitada
corpo espreita feito cantoneira
de quando tornasse minúsculo
aquele imenso
início tempestá

eu tive revolver enquanto tempo passando,
comendo as fitinhas do bonfim nos tornozelos,
amarelescendo guardada lembrança quando noticiou jornal,
cariando os dentes da frente antes mesmo da chegada trinta,
pintando in-plata ondular cãs

- até no onde pude ver
carcomida cavidade de pé de mesa cupim
daquele dia que botei reparo no fato
mas você disse ser preciosismo estético mobiliar mesmo

eu tive que romper os preâmbulos criados
e rebaixar minha retorcida nuca torcicolo
pros repuxos de fios em quando
percepção-paixão me guindaste

eu tive que ser eu
porque não suporto os propósitos,
as escusas,
as beiras d'indelicadezas,
as infâmias que eu poderia dizer vir de você,
mas sei o quanto é apavoro me ver iniciantestrofes
d'competências subjetividades
{eu}
este sempre
mim
dos princípios abrindo alas d'versos

o tapa correu pro infinito
e disse ter ovulado num bum d'explosão
causando este habito-cosmos

e como fomos micropartículas desde a nascença,
descoladas do de todo,
não estranha d'eu dizer ser sujeito singular
{eu}
já que o plural foi desde o antigo
transformado em éter universal
soprado tal qual que nem mesmo nos encontramos


segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Tirando de Letra - programa da UnBTV - 15/08/2016


Entrevista para o programa Tirando de Letra da UnBTV.
Em breve os gravados com Tatiana Nascimento e Nívea Sabino - coleção Odoyá - padê editorial (https://www.facebook.com/pade.editorial/?fref=ts
Agradecemos todo o carinho e amorosidade da equipe do programa: acalanto.



sábado, 13 de agosto de 2016

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

[ deu branco ]

tentou se lembrar do de antes
só que
- novamente -
deu branco

deu branco contando sua versão
deu branco colonizando histórico
deu branco forçando esquecimento

viu que a coisa tava preta
com isso então
compreendeu seu passado



domingo, 7 de agosto de 2016

não nos deixeis
cair
(no chão),
tentação

antes
me jogue
(colchão)

que o macio
amortece
a pegada,
os baques,
(as mãos)

vem,
tenta
(ação)

que
taqui
de sobra,
é tesão


disse estar
a fim

mas com isso
fazia começo




sábado, 6 de agosto de 2016

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

[ chore um rio por nós ]

foto: Daisy Serena


chore um rio por nós

que
a cada vivo originário desta terra
- Abya Yala do todo pulsando-em-gramíneas -
ela
[ mãe solo ]
sentou borda
barro caduco
e²scorreu seus os olhos pelos entres
- e por cada ser vivente
[que sequência matado,
entrecortado,
ensanguentado em chão-ancestro;
de europas-brancas-mãos-torpes]
derramou suas as lágrimas
e
deslizando rusgas
acumulou em poças de formação d'rios

brotaram-se de vez
o Francisco
o Negro
Iguaçu [que significa água-rio grande, cê sabia?
Araguaia [que significa rio das araras vermelhas, cê sabia?
Tocantins [que significa bico do tucano, cê sabia?
Paraguai [que significa rio dos cocares, cê sabia?

até Tietê se quiser me lembrar que sou paulistana
[ só que estou buscando ampliatude mesmo, alargar pr'América Latina ]

por cada cá originário foram chorados os rios:
em lamento da lida corpo-a-corpo sim
mas também fermento-solo de gota-lágrima-nutrição
pois que sabiam nadar
- e eram bons
- ainda são

é que quando ybytu que é vento se atraca com yby que é terra
pa-dê-gira todo um aiyê
pra nunca mais ser
esquecimento




terça-feira, 2 de agosto de 2016

me beija-acalanto,
                   carinho
pois já eu sabia
deste pouco da trilha
(que nem mais sei se três anos e média é dos poucos)
racha-ria
                           quebranto
e
bem mais do que centro
                                                demonstrasse que é manto


escrito em ares d'Oyá - voo BSB-CGH, 02/08/2016